“FANTASTIC PEOPLE”


Estou ainda às voltas com minha reforma residencial. Agora chegou a vez de trocar os vidros da sacada que estavam dando infiltração. Puxo conversa com a dupla de profissionais escalados para o serviço. No dia em que a improvável Costa Rica ganha da tetracampeã Itália por 1 x 0 eles me confessam que esperam que o Brasil perca a Copa “só assim a Dilma não se reelege” . Ué! E a revolta da “elite branca” alardeada pelo desmiolado “Guru de Caetés”? Decididamente os rapazes da vidraçaria , apesar de brancos, não pertencem à elite.

A teoria deles faz sentido. Não é de hoje que os políticos tentam pegar carona no sucesso do esporte seja ele qual for. Hitler usou os jogos Olímpicos de 1936 para tentar avalizar sua crença na pretensa superioridade da raça ariana. O resultado você já sabe. Os atletas negros dos Estados Unidos conquistaram a maioria das medalhas do atletismo, tendo à frente Jesse Owens que enfureceu o Führer papando quatro medalhas de ouro nos 100m, 200m, revezamento 4 x 100 e salto em distância.

Veja só a mensagem que Juscelino Kubitscheck enviou à seleção campeã de 1958 “É o Brasil novo que começa a conquistar suas vitórias. É o Brasil de Brasília que, plantado no coração da pátria, tem agora um espírito novo a dirigir-lhe os destinos.”

A ditadura militar usou e abusou do futebol para angariar a simpatia das massas. O general Médici dava ordens expressas para que fosse fotografado com o radinho de pilha ao ouvido enquanto assistia aos jogos de futebol da época. Foi durante seu governo que foi criada a Loteria Esportiva através da qual a extinta CBD (Confederação Brasileira de Desportos) conseguiu os recursos para a preparação da equipe que foi ao México na Copa de 70. Os jogadores, antes de embarcarem, foram convidados para um banquete no Palácio das Laranjeiras no Rio de Janeiro. Mais populismo impossível.

Lula Irresponsável da Silva, como sabemos, arquitetou um plano que julgava infalível para alavancar a popularidade de seu partido e, claro, mantê-lo no poder. De uma tacada só enfiou o país nas trilhas tortuosas da Copa  de 2014 e das Olimpíadas de 2016. Esta Copa nos deixará como legado estádios caríssimos financiados com dinheiro público já que tudo o mais que fora alardeado se resume a um portfólio de obras inacabadas ou sequer iniciadas.

Das Olimpíadas que Deus nos livre de uma humilhação planetária caso se repita o nível de incompetência na gestão de evento tão complexo já que não há mais a possibilidade de pular fora.

O que nos tem salvo até agora é nossa proverbial capacidade de encantar visitantes com uma hospitalidade sem paralelo no mundo dito civilizado. Na falta de alternativas baratas de hospedagem no Rio de Janeiro os turistas descobriram como se pode ser bem tratado nas favelas da cidade.

O sítio da BBC Brasil entrevistou croatas, ingleses, mexicanos, argentinos e turistas de outras nacionalidades. Quando indagados se estavam gostando do Brasil, a resposta era sempre a mesma "Fantastic people".

Como todo brasileiro que ama seu país torço para que este “povo fantástico” perceba ,de uma vez por todas, que nossos destinos como nação depende exclusivamente do que decidirmos ser e fazer. O resto é Fan Fest da FIFA.


Segundo Tempo:

A Costa Rica é um lindo país. Estive lá a trabalho e fiquei encantado com o turismo sustentável em uma época em que isso ainda não era moda. Pois bem. Mario Batotelli da seleção italiana melindrou os costarriquenhos ao declarar que não conhecia ninguém de lá. Christian Bolaños o camisa sete da seleção devolveu dizendo “agora parece que ele (Batotelli) conhece vários nomes porque ganhamos da campeã do mundo e fizemos história, ainda mais jogando no Brasil onde nos sentimos em casa.”


posts parecidos

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário é muito importante para o desenvolvimento deste Blog. Desde já obrigado!

Conectividade de A-Z

O CANAL PARA FALAR DA CONEXÃO HUMANA.

Aqui você tem voz. Pode contribuir, sugerir, criticar, propor temas, discutir e ampliar o escopo do Blog. Nossa conexão poderá fazer a diferença.