O CALVÁRIO DA MARCA PETROBRAS


 
A Apple, pela terceira vez consecutiva, ganha o título de marca mais valiosa do mundo. Os dados de 2013 foram divulgados pela empresa nova-iorquina MillwardBrown, uma das mais conceituadas do planeta.
A Apple, mesmo após da morte de Steve Jobs, continua impávida no topo  com sua marca valendo 185,07 bilhões de dólares. Para você ter ideia do que isso representa, saiba que a marca Apple equivale à metade do PIB da Colômbia  (370 bilhões de dólares) ou, um pouco menos que o PIB de todo o Peru (196 bilhões de dólares).
O Google, está em segundo lugar (valor de 113,67 bilhões). O ícone “Coca-Cola” ocupa a quarta posição (78,42 bilhões), mas na categoria de bebidas ela reina soberana em primeiro lugar.
Mesmo com toda a guerra declarada ao cigarro em todo o mundo (no Brasil de 2012 somente cerca de 12% da população fumava), a Marlboro ainda está forte na oitava posição com valor de USD 69,38 bilhões.
A marca de automóveis mais valiosa é a japonesa Toyota recuperada completamente do desgaste de 2010  quando a segurança de seus produtos ficou abalada por causa do defeito no pedal do acelerador, lembra-se? Isso é passado. A Toyota  é a 23ª marca mais valiosa do mundo (e a primeira do setor automotivo, valor USD 24,5 bilhões), à frente da alemã BMW (24ª posição, valor USD 24 bilhões). A Mercedes-Benz ocupa a modesta 43ª posição.

Todos sabem quão difícil pode ser o relacionamento com os bancos. A imagem deles todos está quase sempre ligada à ganância desenfreada e à falta de sentimentos nobres. Do movimento estadunidense “Ocupe Wall Street” à sanha destruidora dos Black Blocks locais, bancos não são empresas que gozam de afeto fácil, como uma Disney, por exemplo, (a 25ª marca mais valiosa , USD 32,91 bilhões, e a primeira disparada no segmento de entretenimento).
Pois bem. O HSBC (a despeito dos péssimos serviços que presta a este blogueiro) está na 24ª posição com valor de USD 23,97 bilhões.Tente ligar para uma agência do HSBC. Se conseguir falar com alguém de carne e osso merece ter o seu fundo (do poço) de capitalização  sorteado já que a única forma de se comunicar com alguém de lá é por telepatia.
O trabalho “voluntário” cada vez maior que os correntistas são forçados a fazer para gerir sua vida financeira nos bancos deveria ser pago. Ao contrário. As tarifas de manutenção de contas estão cada vez mais caras e os estratagemas para obter suas isenções cada vez mais ameaçadores.
O ativo mais importante das empresas são seus clientes. São eles que decidem se as promessas que uma determinada marca lhes faz são dignas de valor ou não. Não são poucas as corporações que investem bilhões em propaganda tentando defender o indefensável.
São instituições financeiras as empresas que no nosso maior mercado (São Paulo)  ocupam os primeiros lugares em reclamações ao longo dos últimos 5 anos. Veja em
Em termos nacionais, os bancos comerciais só perdem para as empresas de telefonia no número de reclamações segundo dados do PROCON/2012.
E agora, deixamos para o final, a grande história de como destruir o valor de uma marca. No ranking de 2013, a Petrobrás simplesmente foi a responsável pela derrocada na imagem de todo o segmento em que atua. A categoria “Energia” caiu 4% em valor de marcas (a maior queda de todas as categorias).
O declínio da Petrobrás, como até os fósseis do pré-sal sabem, é fruto dos desmandos do atual governo, cujas políticas para a empresa fizeram-na perder 48 bilhões de reais na última década. Isso não ficou impune. Pelo menos em relação ao valor de sua marca.
Em  2011 a Petrobrás era a 3ª marca de energia mais valiosa do mundo ( valor de USD 13,42 bilhões). Em 2012, caiu para a 5ª posição (valor de USD 10,56 bilhões – queda de 21%). Em 2013, chegou ao fundo do poço com queda de 45% e valor de marca de apenas 5,76 bilhões de dólares (8ª posição).
E você sabe bem o por quê. Antes de pensar na manutenção da integridade do patrimônio público e do valor da empresa (a Petrobrás é uma empresa estatal) o atual governo só quer saber mesmo de construir sua própria “imagem”. Mesmo que para isso seja preciso destroçar uma das maiores e mais conceituadas marcas de energia do planeta.
Veja a relação das 10 marcas mais valiosas do mundo  segundo  a BRANDZ TOP 100 (http://www.millwardbrown.com/BrandZ/Top_100_Global_Brands/Methodology.aspx )

Posição 2013
Categoria
Marca
Valor Bi USD
Tecnologia
Apple
185,07
Tecnologia
Google
113,67
Tecnologia
IBM
112,54
Fast-food
McDonald’s
90,26
Bebidas
Coca Cola
78,42
Telecomunicações
At & T
75,51
Tecnologia
Microsoft
69,81
Tabaco
Marlboro
69,38
Cartão Crédito
Visa
56,06
10ª
Telecomunicações
China Mobile
55,37

 Agora, a relação das TOP 10 de Energia.

Posição 2013
Marca
País
Valor Bi USD
Exxon Mobil
EUA
19,23
Shell
Holanda
17,68
Petro China
China
13,38
Sinopec
China
13,13
BP
Reino Unido
11,52
Chevron
EUA
9,04
Gazprom
Rússia
6,18
Petrobrás
Brasil
5,76
EcoPetrol
Colômbia
5,14
10ª
Lukoil
Rússia
5,01

 Marcas TOP 10 Latino-americanas

Posição 2013
Marca
País
Valor Bi USD
Corona/bebida
México
6,62
Telcel/Telecom
México
6,58
Skol/bebida
Brasil
6,52
Petrobrás/Energia
Brasil
5,76
Falabella/Varejo
Chile
5,61
Bradesco/Financ.
Brasil
5,49
EcoPetrol/Energia
Colômbia
5,14
Claro/Telecom
México
4,45
Itaú/Financ.
Brasil
4,00
10ª
Aguila/Bebida
Colômbia
3,90


Pense também em você como uma “marca” ambulante que está a todo o momento comunicando valores ao “mercado”.

Bom fim de semana!

posts parecidos

Política

Conectividade de A-Z

O CANAL PARA FALAR DA CONEXÃO HUMANA.

Aqui você tem voz. Pode contribuir, sugerir, criticar, propor temas, discutir e ampliar o escopo do Blog. Nossa conexão poderá fazer a diferença.