SAEM KIM JONG -Un E O PASTOR FELICIANO . ENTRAM OS IRMÃOS CHECHENOS.

São 21:58h. Neste exato momento a polícia norte-americana prendeu o suspeito número 2 dos atentados de Boston. Ele estava escondido em um barco no quintal de uma casa nos arredores de Watertown , região metropolitana de Boston.

                                                        Tamerlan (morto)              Dzhokhar (preso)

A Chechênia como você talvez não tenha tido interesse em saber é uma das muitas “repúblicas semi-independentes”, situadas na região do Cáucaso e que fazem parte  da Federação Russa. Esta região é uma verdadeira panela de pressão terrorista.  Separatista do governo central russo  (católico ortodoxo) por motivos religiosos (a região é predominantemente mulçumana). E aí está  o começo de tudo.

Toda essa ira irracional já conhecida pela humanidade e que sempre tem origem na não aceitação das diferenças sejam elas quais forem (vide o caso Pastor Feliciano) se expande por outras “repúblicas” com nomes que parecem ter saído das antigas revistas do Pato Donald  (quando eu era criança li uma em que havia um sósia do Tio Patinhas que morava no Quaquistão). Veja os nomes: Daguestão e Inguchétia.

A história dessa região se não fosse trágica seria o roteiro ideal para uma comédia de horrores. Aliás, uma versão debochada  já foi levada às telas pelo humorista britânico  Sacha Baron Cohen em  “Borat” ( o segundo melhor jornalista da Cazaquistão).

Pois bem. Os vizinhos  russos anexaram a região em 1859 após uma campanha longa e sangrenta. Os chechenos  sempre rejeitaram esse domínio e lutam por sua independência desde então. Como a região é rica em petróleo  a Rússia  não hesita em usar seu poderio bélico para mantê-la sob controle (já vimos esse filme antes).

 Duas guerras já vitimaram chechenos (e russos). A primeira  no período 1994-96. A segunda entre 1999-2000. A Rússia, claro, ganhou todas e ainda impôs um homem de confiança para administrar o espólio (Ahmed Kadyrov, morto em atentado a bomba em 2004).

A história como todos sabem começa como tragédia e termina como farsa. O atual presidente da Chechênia é Ramzan Kadyrov ( filho de Ahmed) que pagou uma pequena fortuna para ter a honra de jogar contra um combinado de veteranos da seleção brasileira de 2002 (O “Brazil Stars”). O jogo ocorreu em 2011 no estádio de Grozny (a capital chechena) e teve Ramzan como um dos jogadores (fez dois gols no goleiro Zetti).  É incrível como o padrão de comportamento dos ditadores se repete: tire Ramzan e coloque  o norte coreano Kim Jong-Un que você terá o mesmo resultado bufão.

                    Ramzan Kadyrov " Virou moda culpar os chechenos por tudo..." 

Hoje a Chechênia continua muçulmana. O país recebeu pesados investimentos e já não está em ruínas. Ramzan prossegue  no poder apoiado por Moscou (leia-se, Putin) e se sustenta apoiando certos rigores islâmicos (há pouco, ele decretou que todas as estudantes e funcionárias públicas da Chechênia deveriam cobrir a cabeça com véu).

A sociedade pressiona por mais. Organizações radicais religiosas estimulam o confronto entre cristianismo e islamismo já que “ser cristão” significa apoiar Moscou  motivo suficiente para ser perseguido.

Pule agora para 19 de abril de 2013.




Dois chechenos são acusados de um ato terrorista que vitimou centenas de pessoas em Boston-EUA. Os irmãos Tamerlan e Dzhokhar Tsarnaev (um já morto e o outro sendo caçado no momento em que escrevo para este Blog) representam os mesmos valores que estão na origem de quase todos os males sociais ao longo de séculos: o radicalismo preconceituoso. 

O padrão de comportamento é o mesmo de sempre: família deixa o país natal por causa de conflitos sangrentos  é acolhida por um país democrático e tolerante, não consegue conviver com os novos valores e se converte em mensageiro do ódio e da destruição.

 Tamerlan , 26 anos (o morto) estudava engenharia no Bunker Hill Community College em Boston. Já tinha passagem pela polícia. Agrediu a namorada.

Dzhokhar, 19 anos usa a rede social para disseminar sua intolerância.  Nem tudo está perdido. Ainda há nesse exemplo de senso de humor postado algo de confessional de sua própria insensatez:

"Um carro passa com um cara da Chechênia, um do Daguestão e outro da Inguchétia dentro. Pergunta: Quem está dirigindo?" Resposta: a polícia.

 

Grande abraço e o melhor fim de semana que você possa ter...


De brinde pra você:
Veja um vídeo auto-postado pelo suspeito número 1 Tamerlan Tsarnaev (morto).

 

posts parecidos

Conectividade de A-Z

O CANAL PARA FALAR DA CONEXÃO HUMANA.

Aqui você tem voz. Pode contribuir, sugerir, criticar, propor temas, discutir e ampliar o escopo do Blog. Nossa conexão poderá fazer a diferença.