BRASIL. O CAMPEÃO DAS OLIMPÍFIAS.

Fiquem sabendo que os chineses que ganharam medalhas de ouro renunciaram à vida por quatro anos. Os do tênis de mesa, dizem , não viram a luz do sol por seis meses até atingirem a perfeição no domínio da força correta sobre a pequena e volúvel bolinha.

Os americanos são capazes de treinar debaixo de uma guerra nuclear. Os Britânicos que até este momento já conquistaram 25 ouros, têm atletas medalhistas até na Casa Real deixando claro que lá não existe monarquia nos esportes.

Estamos atrás do Cazaquistão (6 ouros), Iran 4, da esquálida Coreia do Norte assolada pela falta de proteínas 4.

Fala sério. Você que se orgulha em pertencer à quinta ou sexta economia do mundo engole estar no humilhante vigésimo sexto lugar?
O jornal inglês The Independent atirou na mosca (nem no tiro nós vamos bem, apesar de tanta bala perdida) ao dizer que somos um país que vive de glórias do passado.

Você continuaria patrocinando o Diego Hypólito que a cada Olimpíada inova em uma queda mais surpreendente do que a anterior? Você acha que com 28 anos de idade a gloriosa Daiane dos Santos não deveria estar dando aulas de ginástica olímpica?

Você convidaria  a Fabiana Murer para um torneio em um dia com ventos a mais de 2 km/h?
Que pensaria de um atleta que foi ouro em Pequim se ele perdesse a forma quatro anos mais tarde sem sequer ser classificado?
E de um recordista mundial, ouro na natação que simplesmente "afunda" para o terceiro lugar sem mais nem menos?

Estas histórias seriam dignas de figurar no "Almanaque do Riso" do século 19. Mas, estamos no século 21- há mais de uma década!
O roteiro deste filme todos conhecemos bem. Estudantes que não têm giz no quadro negro, hospitais com doentes sucumbindo nos corredores, policiais  rodoviários que botam fogo em ônibus, parlamentares que receptam dinheiro roubado para a compra de consciências, ex-Presidentes que tentam mudar a data de julgamentos do STF por interesses sombrios.
O que dizer de dirigentes da Fifa que apesar de vetustos e aristocráticos recebem propina como um guarda de trânsito de várzea?

Nosso desempenho nos esportes é tão somente um reflexo de nossas crenças, cultura e valores.
Não chorem por nossos atletas ( eles, não deviam, mas já se esvaem em lágrimas ao se defrontarem com o previsível fracasso).

Certa estava a divina Maria Callas que disse a uma aspirante a soprano chorona por não ser capaz de interpretar corretamente Lady Macbeth : "Tears will take you nowhere my dear". Lágrimas não vão  levá-la a lugar nenhum, minha cara.
Enquanto tudo isso continuar assim seremos os eternos campeões da OLIMPÍFIAS!

Grande abraço.


Parabéns aos nossos dois medalhistas de ouro, Arthur Zanetti (argolas) e Sarah Menezes (judô) .


posts parecidos

Destaques

Conectividade de A-Z

O CANAL PARA FALAR DA CONEXÃO HUMANA.

Aqui você tem voz. Pode contribuir, sugerir, criticar, propor temas, discutir e ampliar o escopo do Blog. Nossa conexão poderá fazer a diferença.