SE SUA EMPRESA “SE ACHA”, PREPARE-SE PARA DIAS SOMBRIOS.

 Você, que se acha bem informado porque escuta a CBN no rádio do seu “carro-conceito”, certamente já ouviu falar da NCC. A NCC está colocando o Brasil de cabeça para baixo.

 Não. A NCC não é uma nova agência de classificação de risco. A NCC é a solução para nossa falta de competitividade nas exportações. A NCC é a Nova Classe C : 31 milhões de brasileiros que emergiram do limbo social para o paraíso do consumo na última década (renda familiar entre R$ 1.200,00 e R$ 5.174,00).

Se você quiser contemplar uma série estatística mais longa, nos últimos 18 anos, segundo pesquisa recente da Fundação Getúlio Vargas, a classe C saltou de 45,6 milhões para 105,4 milhões, enquanto as classes A e B (renda familiar maior que R$ 5.174,00) juntas tiveram crescimento de 8,8 milhões para 22,5 milhões.

Aí você, que antes só se relacionava com as classes A/B agora, para mostrar serviço pra sua empresa, precisa entender da classe C. O que fazer?  

Te adianto logo. Entrevistar sua empregada ou o porteiro do seu prédio não o fará um especialista em classe C. O buraco é muito mais em cima.

Claro que você não conhece o Trio Nordestino. Talvez tenha ido ao Nordeste, mas certamente ficou em um resort. Zero contato com a sociedade local. Você nunca estudou geografia e sequer sabe o nome das capitais da região que já é o segundo mercado consumidor do país.

Tenho uma má notícia pra você. O nordeste é uma região complexa, de grande diversidade cultural, características sócio-econômicas multifacetadas e muito orgulhoso de suas origens, tenacidade e capacidade de vencer infortúnios.

Não acredita? Ouça a música do Trio Nordestino “Pau de arara é a vovozinha”.

A primeira estrofe já equivale a uma pesquisa de perfil psicológico.

“Vim da Bahia pro Rio de Janeiro   
Pra ganhar dinheiro, desaforo não.
Pau-de-arara é a vovozinha,  
Eu só viajo de avião.”  

 Ou seja: não conhecemos -e o que é pior- não sabemos como nos conectar com a Classe C.

Estes dias estava eu no aeroporto de Curitiba aguardando um voo para Porto Alegre. Puxei conversa com dois rapazes de aparência simples. Era a primeira viagem de avião deles. Também iam pra Porto Alegre. Contaram-me que já estavam no aeroporto há mais de 4 horas. Medo de não saber como fazer pra pegar o avião.

Pergunto. Custava a Webjet ter um serviço especial para facilitar a vida destas pessoas?

 Tudo começaria já na internet. Uma simples pergunta do tipo: “É sua primeira viagem? Podemos ajudá-lo? Clique aqui. Daí o “noviço” ia para uma página com todas as informações úteis para não passar aperto no aeroporto. Ou você acha que este perfil de cliente domina a linguagem aeroportuária de “check-in”, overbook, etc?

Dona Dulcilene quer comprar um computador para os filhos. Entra nas Casas Bahia. Você acredita mesmo que ela vai chegar pro vendedor e dizer que quer uma máquina com Duo Core e memória RAM de 3 Gigas?

 Custava as Casas Bahia ter uma vendedora super gente-boa, capacitada a lidar com pessoas simples e que realmente soubesse assessorar D. Dulcilene para uma compra que fosse a melhor relação custo-benefício pro seu orçamento?

Pense comigo e você irá encontrar “n” exemplos de situações para nós corriqueiras, mas que para um NEC (neo-emergente-consumidor) são verdadeiras charadas indecifráveis.

Algumas empresas já entenderam o ritmo da dança.

A Nestlé tem uma área só pra estudar formas de se conectar com a NCC e já lançou uma porção de novos produtos para ela.

A Batavo (Brasil Foods) lançou iogurte com polpa de graviola disponível até nas prateleiras do Sul/Sudeste (tem gente que nunca viu uma graviola na vida, mas é uma fruta muito popular no Nordeste).

Se você acha que a NCC quer assitencialismo perene do governo está super equivocado. Pesquisa conduzida pelo Centro de Políticas Sociais da Fundação Getúlio Vargas detectou que esta classe está muito mais preocupada com educação e geração de renda do que em trocar de geladeira ( até porque ela já tem uma duplex Frost Free paga em 20 prestações, sacou?).

Aí vem a conclusão deste artigo. A NCC vai aprender rapidinho, mesmo sem a ajuda das empresas, a percorrer o labirinto que conduz ao paraíso do consumo.

Se você e sua empresa souberem tratá-la com respeito, criatividade e honestidade estarão ganhando clientes fiéis mesmo quando eles ou seus filhos subirem o degrau para a classe B. E isso não vai levar muito tempo!

Obs.: Se quiser, ouça a  música "Pau-de-arara é a Vovozinha", na voz de Elba Ramalho.




posts parecidos

Destaques

Conectividade de A-Z

O CANAL PARA FALAR DA CONEXÃO HUMANA.

Aqui você tem voz. Pode contribuir, sugerir, criticar, propor temas, discutir e ampliar o escopo do Blog. Nossa conexão poderá fazer a diferença.